terça-feira, 22 de setembro de 2015

PALAVRAS DO PRESIDENTE

Nas festividades do Centenário do Sete, nosso presidente José maria de Souza foi feliz em suas sábias palavras, enaltecendo a história gloriosa do Sete e daqueles que fizeram do Sete a sua vida!



EM PRIMEIRO LUGAR AGRADEÇO A DEUS POR ESTAR VIVENDO ESTE MOMENTO.
GOSTARIA DE SER UM ENGENHEIRO DAS PALAVRAS E DAS LETRAS COMO O DOUTOR ADOLFO MAURÍCIO PEREIRA E  O LUIZ CARLOS DO SÔ JUCA ENTRE OUTROS, PARA PODER CONSTRUIR UM MONUMENTO QUE SINTETIZASSE TUDO O QUE SINTO E GOSTARIA DE DIZER NESTA SOLENIDADE.
RUI BARBOSA ESCREVEU UMA CRÔNICA FAMOSA (AS ANDORINHAS DE CAMPINAS), ONDE ELE COMEÇA  DIZENDO QUE “EU NÃO CANTO E NEM PINTO MAS RECORDO E REVEJO”, PARA EM SEGUIDA, DENTRO DE SUA GENIALIDADE DESCREVER O VOO DE TAIS PASSARINHOS .
NESTE MOMENTO ATRAVÉS DAS ENTREVISTAS, DAS PESSOAS AQUI PRESENTES E DAS QUE RECEBERAM AS HOMENAGENS RECORDEI E REVIVI MUITA COISA .
COMO EU DISSE SEGUNDA FEIRA PASSADA NA CÂMARA MUNICIPAL: É HUMANAMENTE IMPOSSÍVEL, HOJE FALAR SOBRE TODA A NOSSA HISTÓRIA QUE SE ENTRELAÇA COM A PRÓPRIA HISTÓRIA DE NOSSA QUERIDA CRUZÍLIA.
VAMOS CONTÁ-LA DO MODO MAIS FIEL, NO LIVRO QUE ESTÁ SENDO ESCRITO PELA MARIA DE FÁTIMA ALVES , A FATINHA DO ZOTE, COM LANÇAMENTO PREVISTO PARA O MÊS DE SETEMBRO DE  2016, PRIMEIRO ANO  DO SEGUNDO CENTENÁRIO.
O SETE ESTÁ SE PREPARANDO PARA COMEÇAR SEU SEGUNDO CENTENÁRIO, RAZÃO PELA QUAL É DE FUNDAMENTAL IMPORTÃNCIA O ENGANJAMENTO DE TODOS NESSE NOVO DESAFIO.
Esses 100 anos, porém, representam um momento de grande reflexão, de discutir o sete que desejamos.
NO ANO DE 2013 EM UMA SOLENIDADE NO FÓRUM DE CRUZÍLIA, QUANDO USEI DA PALAVRA, CITEI UM POEMA DE VINÍCIUS DE MORAES.
DISSE VINÍCIUS DE MORAES
*Este poema é dedicado a um americano simpático, extrovertido e podre de rico, em cuja casa estive poucos dias antes da minha volta ao Brasil, depois de cinco anos em Los Angeles, EUA. Mr. Buster não podia compreender como é que eu, tendo ainda o direito de permanecer mais um ano na Califórnia, preferia, com grande prejuízo financeiro, voltar para a "Latin America", como dizia ele. Eis aqui a explicação, que Mr. Buster certamente não receberá, a não ser que esteja morto e esse negócio de espiritismo funcione.

Olhe aqui, Mr. Buster: está muito certo
Que o senhor tenha um apartamento em Park Avenue e uma casa em Beverly Hills. Está muito certo que em seu apartamento de Park Avenue O senhor tenha um caco de friso do Partenon, e no quintal de sua casa em Hollywood Um poço de petróleo trabalhando de dia para lhe dar dinheiro e de noite para lhe dar insônia.

Está muito certo que em ambas as residências
O senhor tenha geladeiras gigantescas capazes de conservar o seu preconceito racial Por muitos anos, e máquinas de lavar Capazes de apagar a mancha do seu desgosto de ter posto tanto dinheiro em vão na guerra da Coréia.
 
Está certo quem em sua mesa as torradas saltem nervosamente de torradeiras automáticas E suas portas se abram com célula fotelétrica. Está muito certo Que o Senhor tenha cinema em casa para os meninos verem filme de mocinho
 
Isto sem falar nos quatro aparelhos de televisão e na fabulosa hi-fi Com auto-falantes espalhados por todos os andares, inclusive nos banheiros

Está muito certo que a Senhora Buster seja citada uma vez por mês por Elsa Maxwell E tenha dois psiquiatras: um em Nova York, outro em Los Angeles, para as duas "estações" do ano.

Está tudo muito certo, Mr.Buster - o senhor ainda acabará governador do seu Estado E sem dúvida presidente de muitas companhias e petróleo, aço e consciências enlatadas.

Mas me diga uma coisa, Mr.Buster Me diga sinceramente uma coisa, Mr. Buster:
 
O senhor sabe lá o que é um choro de Pixinguinha?
 
O senhor sabe lá o que é ter uma jabuticabeira no quintal?
 
O senhor sabe lá o que é torcer pelo Botafogo?
POIS BEM: DEPOIS DE LER ESTE POEMA E SE AGORA APARECESSE UM MAGNATA E  ME FIZESSE UMA PROPOSTA DAQUELAS DE TIRAR O FÔLEGO PARA EU ME MUDAR de Cruzília-mg, JÁ TENHO A RESPOSTA PRONTA : RESPONDERIA PERGUNTANDO:
ME DIGA UMA COISA SENHOR MAGNATA, ME DIGA SINCERAMENTE UMA COISA SENHOR MAGNATA:
O SENHOR SABE LÁ O QUE É TER CONHECIDO O SÔ ALCEU, O PAULECA, O ZÉ LINO ,O ZÉ BOLEIRO, A NEIDE DO JOÃO DO JUSTO,   A BILICA E A CLARA DO ZOTE(ESTAS AINDA ESTÃO VIVaS)? 
O SENHOR SABE LÁ O QUE É ser AINDA A ÚNICA PESSOA VIVA QUE Participou diretamente de todas as suas conquistas, sendo duas como jogador(1969 e 1971) e as demais como dirigente no seu Departamento Jurídico?
O SENHOR SABE LÁ O QUE É SER CAMPEÃO JOGANDO PELO SETE JUNTAMENTE COM MEU IRMÃO JAJÁ E COM OS COMPADRES COQUINHO E COVINHA?
O SENHOR SABE LÁ O QUE É VER O RENATO MEU FILHO SER CAMPEÃO JOGANDO PELO SETE?
O SENHOR SABE LÁ O QUE É VER O DAVI MEU NETO DE 08 ANOS TREINANDO NO SETE?
O SENHOR SABE LÁ O QUE É SER PRESIDENTE DO SETE DE SETEMBRO EM SEU CENTENÁRIO E VER SUA FILHA ROBERTA JUNTAMENTE COM O ROBINHO DO COMPADRE ZÉ DA MARTE SER OS APRESENTADORES DA SESSÃO SOLENE EM COMEMORAÇÃO AO NOSSO CENTENÁRIO?
NUNCA IMAGINEI CHEGAR À PRESIDÊNCIA DO SETE.POR ISSO A MINHA EMOÇÃO QUASE INCONTIDA NESSE MOMENTO
Agradeço, EM NOME DO SETE DE SETEMBRO F.C, a todos que aqui se encontram, MEUS FAMILIARES, FAMILIARES DOS FUNDADORES, FAMILIARES DE TODOS OS EX-PREIDENTES FALECIDOS, FAMILIARES DE TODOS OS EX-PRESIDENTE VIVOS E EX-PRESIDENTES PRESENTES, COMPANHEIROS DA DIRETORIA, CONSELHEIROS, SÓCIOS, TORCEDORES, DESPORTISTAS DE UM MODO GERAL, colegas e amigos. Estejam certos que não esquecerei esta noite e a alegria que as suas presenças me proporcionam.
Finalmente, com muita tranqüilidade posso dizer Parafraseando o poeta Milton Nascimento:
O SETE É DO MUNDO,
AFINAL , O SETE É DE CRUZÍLIA
E SOMOS MINAS GERAIS.
QUE VENHAM OS PRÓXIMOS 100 ANOS.
QUE VENHAM OS PRÓXIMOS CENTENÁRIOS.
OBRIGADO SETE DE SETEMBRO FUTEBOL CLUBE.
OBRIGADO FAMÍLIA SETEMBRINA.
OBRIGADO A DEUS.
JOSÉ MARIA DE SOUZA – PRESIDENTE DO SETE DE SETEMBRO F. C EM SEU CENTENÁRIO.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

100 ANOS


Neste dia 7 de Setembro, comemoramos os 100 anos de Fundação do Sete de Setembro F.C. , um clube que tem uma história tão grande e tão linda que se confunde até com a história desta cidade. São pessoas apaixonadas, que se doaram e se doam até hoje para o sucesso e o crescimento do Sete. São títulos, conquistas, vitórias, derrotas mas acima de tudo, o Sete é feito de amor, de gente que não mede esforços para fazer do Sete o que ele é hoje, "O maior clube de futebol amador da região". 
 

PARABÉNS SETE! 100 ANOS DE GLÓRIAS E TRADIÇÕES!!!

 

quarta-feira, 8 de julho de 2015

HISTÓRIA:

Histórico do Sete de Setembro Futebol Clube

Em 04 de Julho de 1915, nascia em Cruzília, o Sete de Setembro Futebol Clube, sendo que oficialmente a data de fundação é comemorada em 07 de Setembro de 1915, conforme ata de fundação constante no livro oficial do Clube. A iniciativa da fundação foi do sr. Antonio Magalhães Júnior, sendo os outros fundadores os senhores: Francisco Furtado, Augusto Maciel Pereira, Pedro José de Arantes, João de Magalhães, Affonso Ferreira, Pedro Carlos Penha, Tito Mori, Arnaldo de Magalhães, José Ferreira da Silva, Alberto Maciel Pereira, Itagiba de Castro Pinto e Gilberto de Salles Magalhães. Consta ainda na referida ata que "Por favor que lhe devia o clube por votação unanime foi eleito o Sr. José Pinto Ribeiro Sobrinho como presidente honorário. Foi eleito e nomeado horador oficial o Sr Antonio de Resende Enout." consta ainda que a primeira diretoria foi assim constituída: Presidente: Tito Mori. Vice Presidente: Affonso Ferreira, "thesoreiro": Pedro Carlos Penha, e secretário Alberto Maciel Pereira. As cores, verde, branco e amarelo foram escolhidas em homenagem à bandeira nacional, porém, durante o regime do estado novo, na década de 30 foram proibidas de serem usadas por qualquer entidade não governamental, assim surgiram as cores alviverde para representarem o 7.S.F.C. até os dias de hoje. Durante as décadas seguintes, o Sete de Setembro produziu grandes esquadrões, proporcionando à torcida, grandes espetáculos às tardes de domingo. A história de nossa cidade, muito se relaciona com a do Sete, grandes momentos foram vivenciados naquele estádio, momentos aqueles que até hoje estão guardados na memória que do torcedor alviverde. O “Verdão” sempre honrou e honra até hoje o nome de Cruzília, pois sempre foi e continuará sendo o principal time de futebol de nossa cidade. O Sete de Setembro Futebol Clube, mantém uma estrutura invejável, com duas piscinas, duas saunas, dois bares, uma quadra poliesportiva, um estádio em excelentes condições além de um amplo e bom quadro de associados.

Títulos:
Liga Desportiva Caxambuense (LDC): 1969, 1971, 1984, 1986 e 2013
Liga Andrelandense de Futebol (LAF): 2000, 2012 e 2013
Além de vários torneios e campeonatos locais, sendo inúmeros nas categorias de aspirantes disputados em suas respectivas épocas.

Fatos históricos:
O primeiro campo de futebol utilizado pelo Sete de Setembro Futebol Clube, localizava-se onde hoje se encontra a Madeireira Cruziliense de propriedade do Sr. Derly Mangia. Devido a problemas burocráticos, em 1938, o Sete teve de buscar outro espaço e construiu seu estádio mais próximo ao centro da cidade, onde até hoje é local de encontro dos Setembrinos de coração.

Galeria de craques:
Grandes jogadores foram formados e outros vêm sendo trabalhados. Grandes craques marcaram época e os corações alviverdes:

Covinha, Galé, Dalmo, Tabáco, Dácio, Coquinho, Nelson (peixe), Russo, João Waldemar, Padre José Maria, Jajá,  Minelli, Carlinhos Alckmin, Capoeirinha, Ademir, Merola, Claudinho, Sandrinho, Landinho, Carioca, Mineirinho, Zé Maria (atual Presidente), Bereta, Alceu, Cuia, Duda, Jair, Pelezinho, Cássio, Luciano, Tuí, Fernando (Açougue), Fernando (AA), Nélo, Adilson Conde, Vladimir, Gil, Ti Vera, João Tutia, Júnior e muitos outros...

Figuras históricas:
Várias pessoas contribuíram muito para a construção desse clube, algumas sempre ficaram na memória de muitos: Zé boleiro, Poléca, Alceu, Vadinho, Macalé, Nita, Dunga, Date, Naia, Zé Mauricio, Zoti, Dennis, Bilíca, Hugo do Zé Amém entre outros.